touchable

É preciso sofrer depois de ter sofrido, e amar, e mais amar, depois de ter amado. (Guimarães Rosa)

Na vida, o que é belo é ser tocável
por Aline Menezes

Ao longo de nossa vida, carregamos conosco grande quantidade de material corrosivo, que destrói aqueles que atravessam o nosso caminho e, principalmente, contamina a nós mesmos. Tenho aprendido que a nossa interioridade é indecifrável, que ninguém (nem eu, nem você) tem condições de definir ou explicar tudo o que nos constitui internamente.

Há uma parte da existência humana que é incapturável. Por mais sensíveis que sejamos (e alguns têm sensibilidade extremada e bela), é tarefa insana querer compreender completamente o que existe de mais profundo em nossa alma. Resta-nos apenas a abertura para enxergarmos o mais longe possível, a fim de não nos tornarmos indiferentes à dor alheia, nem muito menos à dor que nos envolve, para não nos tornarmos cínicos.


Ainda tenho muitas dificuldades de me recuperar após uma experiência de dor e sofrimento. Os meus passos são, se em direção ao comportamento dos resignados, quase sempre lentos e desproporcionais. Isso porque as minhas experiências negativas ganham em mim dimensões gigantescas. Sou um ser exagerado, até nas escolhas das palavras e das expressões: sou a hipérbole do mundo.

Às vezes, percebo nas pessoas (e em mim) ações tão impiedosas que me assusto. Vejo e sinto a atmosfera do ambiente físico, emocional e afetivo. Estou em contato com a pele, sempre, mas a pele de dentro. Sinto tudo de maneira bem particular, bem íntima. Absorvo a vida. Porque, não nos enganemos, somos impelidos para a morte.

Mas, como eu disse, carregamos conosco grande quantidade de material corrosivo. Tem gente que é pura acidez. Que é tóxica. Às vezes, somos todos assim. Exalamos substâncias que provocam queimaduras, danificam irreversivelmente o que antes era tecido ou matéria viva.

É necessário ter olhar atento para perceber o outro em meio a tantas agitações. É necessário observar o corpo que se move em nossa frente. É necessário ter cuidado, saber segurar delicadamente a respiração do outro. A indiferença às experiências humanas é algo doloso.

De modo definitivo, não sou o tipo de pessoa que acha a vida linda, não vejo razões para isso. As pessoas são, quase sempre, seres insuportáveis, dissimulados, vaidosos e egoístas; o mundo, uma insanidade estúpida, hipócrita e desnecessária. Porém, incrivelmente me adapto à constatação de que há muita beleza por aqui. Que é possível continuar lutando e absorvendo o que ela, a vida, tem de melhor. E ela tem muita coisa melhor e bela! É possível evitar que substâncias corrosivas atuem sobre nós e sobre os outros.

Muitos de nós já fomos tão corroídos (e já corroemos) que nos tornamos incapazes de permitir contato. Rendemo-nos à própria bolha formada em todo o nosso corpo. Sentir o toque é algo necessário e essencial à existência.

Precisamos nos render a tudo que é belo, a tudo que é delicado, a tudo que é único. Precisamos estender o nosso corpo sobre o tapete de seda, fechar os olhos com segurança e sem medo, respirar devagar, pausadamente, e sentir quando alguém ou algo nos toca de modo profundo.

Precisamos, de uma vez por todas, deixar as mãos afáveis da vida cuidarem das nossas queimaduras, das bolhas, umedecerem a secura causada pelas experiências negativas, penetrarem a pele e alcançarem a alma novamente. Porque, na vida, o que é belo é ser tocável.

6 pensamentos em “touchable”

  1. Aline, Você escreve muito bem, sabe colocar cada palavra, em seu devido contexto, amei ler, amo lembrar, isso é uma delicia. Você sabe usar cada intensidade no seu devido tempo. Parabens você foi feliz em cada colocação textual, bjos…

  2. Bonito e triste na mesma proporção. Acho que é mesmo um reflexo da vida de quem sente muito, sente intensamente, sente demais.
    Parabéns porque, quatro anos antes de me conhecer você já conseguiu me “decifrar” através da sua escrita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *