stupidity

A face humana é igual à daqueles deuses orientais: várias faces sobrepostas em diferentes planos, e é impossível ver todas elas de uma só vez. (Marcel Proust)

DEUS AMA OS GAYS,
mas isso não é o bastante

por Aline Menezes*

A minha fé (ou as minhas crenças) jamais deverá servir de desculpa para incitar a violência contra quaisquer pessoas que assumam práticas sexuais diferentes das minhas. Pela visão de mundo que sempre busco ter, acompanho com frequência o noticiário e o debate sobre os crimes executados contra os homossexuais, consequentemente, sobre os direitos deles. O que vejo: tolos e fariseus discutindo de maneira leviana questões fundamentais para qualquer país que queira ser democraticamente livre. 
No ano passado, o jornalista e deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) escreveu uma carta para o Jornal do Brasil em resposta a um colunista que o acusara de ?censurar cristãos?. Nas palavras de Leandro Fortes, repórter da revista CartaCapital, o texto do parlamentar era ?uma pequena aula de civilidade e história?. Reproduzo aqui apenas um trecho, mas ressalvo que o documento completo merece ser lido: 

[…] Sendo a defesa da Dignidade Humana um princípio soberano da Constituição Federal e norte de todo ordenamento jurídico brasileiro, ela deve ser tutelada pelo Estado e servir de limite à liberdade de expressão. Ou seja, o limite da liberdade de expressão de quem quer que seja é a dignidade da pessoa humana do outro. O que fanáticos e fundamentalistas religiosos mais têm feito nos últimos anos é violar a dignidade humana de homossexuais.

Quando li a carta, quis abraçar Jean Wyllys e pedir desculpas a ele pelos imbecis que dizem compartilhar da mesma fé que eu; queria ter pedido desculpas a Jean Wyllys e a todos aqueles que diariamente sofrem ou já foram vítimas de seres homofóbicos, muitos dos quais são agressores que se vestem de terno e gravata e demonstram ares de virilidade, típicos dos machos mais selvagens que a natureza ainda não conseguiu banir da Terra; queria ter pedido desculpas a todos os gays, lésbicas, travestis e tantas outras pessoas identificadas por nomes estigmatizados, utilizados para oprimi-los, violentá-los e tirar deles o direito à vida. 

O deputado tem razão: fanáticos e fundamentalistas religiosos têm provocado a disseminação do ódio contra os homossexuais. Além disso, Jean Wyllys comentou que, no Brasil, 200 homossexuais são brutalmente assassinados por ano, segundo estatísticas divulgadas pelo Grupo Gay da Bahia e da Anistia Internacional. (Não apurei dados recentes). De tão comuns, esses crimes nem sempre estampam as capas dos jornais ou das agências de notícias, pois já integram a seção de ?cotidiano?. A motivação da brutalidade contra eles: a identidade de gênero.

Numa lúcida entrevista à CartaCapital, também de 2011, o pastor Ricardo Gondim afirmou que é a favor da união civil entre os homossexuais. E mais: ?Temos de respeitar as necessidades e aspirações que surgem a partir de outra realidade social. A comunidade gay aspira por relacionamentos juridicamente estáveis. A nação tem de considerar essa demanda. E a igreja deve entender que nem todas as relações homossexuais são promíscuas. Tenho minhas posições contra a promiscuidade, que considero ruim para as relações humanas, mas isso não tem uma relação estreita com a homossexualidade ou heterossexualidade?.

Essa entrevista rendeu a Ricardo Gondim sua ?demissão? como colunista de uma das revistas mais importantes do meio evangélico no Brasil, a Ultimato (nome sugestivo). E rendeu também uma série de acusações e violências verbais contra o téologo e escritor brasileiro. Porém, Gondim afirmou no site dele:

[…] Eu podia ser outra pessoa. Estou consciente de meus dons e talentos. Sei que poderia tornar-me famoso e disputado entre os maiorais do movimento evangélico. Mas, não sei explicar, preferi o caminho dos proscritos. E a minha história virou piada; fui arrastado ao charco. Dei uma entrevista à revista Carta Capital (eu daria novamente, sem tirar uma vírgula) e os eventos desandaram. Antigos companheiros passaram a me evitar como um leproso. Reconhecer que homossexuais têm direito era um pecado incontornável. Contudo, prefiro o ódio de fundamentalistas e homofóbicos à falta de paz; quero poder deitar a cabeça no travesseiro com a consciência de que defendi o que é justo.

Sempre que releio essa parte, eu me emociono. Porque sinto que é uma declaração honesta e sincera de alguém que reconhece a essência da expressão “fé cristã” e não se rende à estupidez religiosa, nem muito menos à hipocrisia de semideuses, encastelados em seus púlpitos ou gabinetes fedidos e sujos de excrescências diabólicas. Graças a Deus, e somente a Ele, existem cristãos que pensam diferentemente das declarações equivocadas de Silas Malafaia, por exemplo, e de todos os seus seguidores inocentes ou perversos; mal-informados ou estúpidos.

Aqueles que são incapazes de reconhecer as diferenças, os direitos, as dores e as angústias alheias jamais deveriam ser chamados de cristãos. Primeiramente, porque não o são; em segundo lugar, porque nunca o foram.

*Jornalista, sergipana, residente em Brasília

28 comentários em “stupidity”

  1. Que comentários profundo. Acho que é perfeitamente possível um cristão achar que a homossexualidade é um pecado.. Mas as leis são para todos.. E o casamento civil deve ser um direito para aqueles que não compartilham da minha fé… Também não podemos permitir que se chame as pessoas de doentes impunemente.. Hj são os homossexuais. Antigamente eram os negros.. Liberdade de expressão tem limites.

  2. Amei o artigo! Difícil encontrar Cristãos com essa visao,tolerante,no qual exercem uma fé nao cega. Como dito no cometário acima,”liberdade de expressao tem limites”- a mesma nunca pressupos falar o que quer desmedidamente.

  3. Confesso que chorei…ao ler esse texto. Sou de tradição assembleiana e como os homossexuais foram demonizados por esses abutres e juntando com outras filosofias destrutivas perdi minha mae 2 meses depois que ela soube que eu era gay. Na verdade, ela ja sabia, mas nao queria acreditar, a igreja levava ela a não acreditar na minha existência, com todos os meus valores, como poderia ser eu um demônio..qd soube não resistiu tamanha a imagem negativa que se criou sobre os gays..acredito que ela se preocupou com os perigos que eu iria sofrer tanto na igreja como no mundo….fica aqui meus parabéns a essa sóbria reportagem com o verdadeiro espírito cristão.H

  4. Como homossexual e ateu fico maravilhado em ler um artigo tão lúcido como o seu Aline. Temos que acabar com o projeto de um país teocrático que alguns ditos “homens de deus” querem impor a um país laico como o nosso. Parabéns!

  5. Aline, muito obrigado por seu texto! Não sou uma pessoa religiosa, mas me senti realmente abraçado por sua postura humanista e por sua fé cristã. Parabéns pela lucidez! Um grande abraço.

  6. Parabéns, ótimo texto que demonstra que nós LGBT´S não devemos generalizar e classificarmos os evangélicos como homofóbicos, pois assim perdemos o apoio de muitos como a Aline.

  7. Todos descem o pau quando veem matérias sobre a intolerância do Talibã ou de iranianos ou de outra cultura que seja intolerante também, apresentem um vídeo desses para qualquer ocidental religioso para ver suas expressões físicas e verbais, e verão hipocrisia. Malafaia faz o mesmo com todos que não partilhem as suas ideias, com a diferença que não tem agressão física, mas tem a pior de todas que é o bullyng. E só não tem agressão física por detalhes de “tempo”. Imagina ele nascido a cem anos atrás.

  8. fico feliz que ainda haja no mundo pessoas que defendem verdadeiramente o bem e a paz, e não ficam perseguindo minorias pra se promover às custas do sofrimento alheio.

  9. Obrigada Aline Menezes, seu texto iluminou meu dia, tirou uma pedra do meu peito e renovou minhas esperanças na humanidade. Enquanto houver pessoas que defendam o direito, a fé e a integridade humana de uma forma justa e igualitária, saberei que ainda estamos seguindo para o bem.
    Abraço apertado de uma irmã (sou de crença diferente da sua mas, me sinto sua irmã no amor.)

  10. É um texto maravilhoso , que consegui colocar no papel toda a minha ideia sobre os “cristãos” fundamentalista, obrigado, estarei sempre nessa luta de combate contra o pensamento estupido do ser humano.

  11. Sou evangélico, pois fui criado como tal!
    Depois que cresci, pude entender melhor o que isso significa e a beleza de ter Jesus Cristo como salvador! Não existe história mais linda! O Verbo se fez carne!
    Sou gay e não vou deixar de crer em Jesus Cristo por causa disso, nem por causa de acusações infudadas feitas pelos homens.
    Texto incrível, coeso, limpo, direto, claro, explicativo, … Nem preciso dizer mais nada! Ah… Jean tbm é incrível!

  12. Parabéns Aline Menezes, precisamos de mais pessoas se posicionando em relação à barbárie e à perversidade disseminadas contra homossexuais não só em púlpitos, mas também massivamente em canais de tv e estações de rádio pertencentes a igrejas que se denominam cristãs. Já vimos o resultado de tanto ódio na segunda guerra mundial: perseguição implacável, confinamento e extermínio. Os justos, os bons não podem se calar diante do alto número de assassinatos de homossexuais no Brasil. Como voce bem disse em seu texto, “Aqueles que são incapazes de reconhecer as diferenças, os direitos, as dores e as angústias alheias jamais deveriam ser chamados de cristãos”. Meus agradecimentos. Pessoas como você trazem a esperança de que o Brasil venha ainda a ser uma verdadeira democracia para todos os seus cidadãos.

  13. Parabéns! Pode ter certeza que você está ajudando milhares de pessoas homossexuais que se sentirão contemplados com suas palavras que só reforça o que Cristo ensinou: Amar o próximo como a si mesmo. Mais uma vez: Parabéns!

  14. Fiquei emocionada ao ler o seu texto, Aline. Lúcido, sincero, tocante. Nem sei o que comentar, fiquei realmente muio emocionada e feliz ao ler seu texto.

  15. ALINE, JEAN, PASTORES, PADRES E TODOS OS QUE REALMENTE ENTENDEM QUE O PECADO ESTÁ NO ÓDIO E NÃO NO AMOR, PARABÉNS POR PROMOVEREM A PAZ.
    QUANTO A VOCÊ Alisson, DEUS TE DÊ A VERDADEIRA SABEDORIA. FIQUEI COM DÓ DA SUA IGNORÂNCIA. FORAM HOMENS COMO VOCÊ, FUNDAMENTALISTAS RELIGIOSOS ASSIM, QUE SÓ SABEM LER MAS NÃO INTERPRETAR, É QUE CONDENARAM JESUS CRISTO.

  16. Aline, seu texto é tão belo, tão cheio de verdades que fico feliz em saber que ainda existem pessoas sensíveis no meio evangélico.

    Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *