short

A vida é muito curta para tomarmos às costas o fardo dos erros alheios. Cada um vive como quer e paga pelo que faz. Só é triste que muitas vezes se deva pagar por uma só falta. E a expiação não tem fim. Nos seus negócios com o homem, o destino nunca fecha a conta. (Oscar Wilde in O retrato de Dorian Gray, p. 153)

Porque a vida é breve
Por Ricardo Gondim*

Porque a vida é breve me deixo atrair pelo insólito. E com ele, desperto a coragem de correr riscos. Cito Rubem Alves: ?Os homens buscam a segurança para fugir da morte. Eles não sabem que a segurança é a morte em vida?. Noto os dias desaparecerem em nacos semanais. As semanas se diluem em meses. Os meses se esfarelam em anos. E os anos se acabam nas décadas. Inconformado com a ladeira do tempo, não permito que a vida despenque em direção ao nada. Se o relógio acelera na loucura do dia a dia, canto com Lenine:

?Enquanto o tempo
Acelera e pede pressa
Eu me recuso faço hora
Vou na valsa
A vida é tão rara?.?
Porque a vida é breve crio coragem de visitar o passado. Revejo a Gentilândia com todos os meus amigos. Olho para a professorinha de matemática. Pobre mulher, se esforçou muito para que eu aprendesse equação de segundo grau! Mas eu só tinha olhos para a geometria do seu corpo. Enlaço a eternidade para reviver aqueles tempos verdes, inocentes.

Porque a vida é breve tenho ganas de recuperar os livros que nunca me interessei. Diferencio a boa e a má literatura. Redescubro Machado de Assis; e guardo uma lição de Memórias Póstumas de Brás Cubas: a hipocrisia social, de tão avassaladora, só permite honestidade se escrevermos nossa biografia depois de mortos. Sorvo a sabedoria de outros autores. Gente com a genialidade de Graciliano Ramos (o velho Graça) ensina que miséria condena as pessoas a viverem como cadelas ? a Baleia, de Vidas Secas. Leio e releio Fernando Pessoa, meu poeta predileto. Em sua angústia existencial, sinto-me convidado a enfrentar as minhas inquietações, mesmo correndo o risco de gerar desespero mais intenso.

Porque a vida é breve intensifico meu amor pela Silvia Geruza, minha mulher. Partilho sonhos com o Villy, meu genro. Peço a Deus boa saúde para acompanhar o crescimento do Naran, do Felipe e da Gabriela, meus netos. Celebro semelhanças e diferenças entre Carolina, Cynthia e Pedro, meus três filhos.

Porque a vida é breve mantenho a disciplina de correr. Suo até ensopar camiseta, calção e tênis. Mesmo anônimo entre milhares, repito a emoção de me sentir um vencedor nas maratonas.

Porque a vida é breve reverencio aqueles que me anteciparam na eternidade. Eu ainda os amo com a dor de uma saudade intermitente. Zelo pela carteira de atleta do papai quando jogava no Corinthians. Decoro a parede de meu escritório com o poema triste que mamãe escreveu, e imprimiu do tamanho de um pôster. Guardo o olhar paradoxalmente forte e melancólico da mulher que me amamentou.

Porque a vida é breve aprendo o paladar do vinho. Provo novos pratos. Escuto música prenhe de poesia. Aguardo os dias de lua imponente. Cheiro meu travesseiro; e, no quarto, sussurro: ?sou rei deste espaço inviolável?.

Porque a vida é breve busco entender o que é integridade. Anseio me manter fiel ao amigo e bom com o desconhecido. Tento ser terno com os tropeços alheios. Enfrento a injustiça. Saúdo os pacificadores ? eles têm o privilégio de serem chamados filhos de Deus.

Porque a vida é breve carrego uma aljava no coração. Guardo nela, coisas que embelezam os meus olhos: a delicadeza das flores, a leveza dos colibris, a folia dos golfinhos, a calma do jabuti, a imponência dos carvalhos e a valsa das marés.

Porque a vida é breve antecipo o momento em que hei de cerrar os olhos. Para aquele derradeiro instante, anelo acreditar que meus piores inimigos serão discretos ? que suspirem um simples ?Foi-se, então?? ao receberem a notícia fatal. Desejo partir tendo meus filhos do lado. Sei que o olhar amoroso, e sempre perdoador, de minha mulher me dará coragem para atravessar o temido rio.

Porque a vida é breve reafirmo que, tanto na beleza como na crueldade da história, sou crente. Eu creio na vida.

Soli Deo Gloria

*http://www.ricadogondim.com.br/meditacoes/porque-a-vida-e-breve/

____________
WILDE, Oscar. O retrato de Dorian Gray. São Paulo: Martin Claret, 2006.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.