SEM PALAVRAS

(…)

é assim que se começa, quando não se sabe por onde começar.

Palavras impensadas, não declaradas e declaradas. Palavras sem palavras. Mas o Verbo se fez carne e habitou entre nós. O Verbo. O echad. Que é o meu consolo, acaba por me consolar. O Espírito, o Consolador…

No latim, no hebraico, no grego, no mais… No mais, quem irá me interpretar? Quem vai me definir ou me ler? Quem mais?

! exclamação;
? interrogação.

No mais, do que vou me amedrontar? Tampouco vou. Sem respostas. Sem palavras. Há sempre um momento especial no momento em que nada nos parece distinto.

Abstração. Abstrair. Abstrato. Abstraimento…

(…) é assim que se termina, quando não se quer terminar.

______________________
(poema inspirado em mim, numa quarta-feira, às 13h06)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.