Catherine e Louis (por Aline Menezes)

Catherine e Louis

CAPÍTULO I

Algumas pessoas são como as obras de Tchaycowski, muito barulho, pratos, metais e bumbos, mas é só na superfície. Você é como Chopin e Debussy, uma aparência melódica, mas no fundo uma tensão insuportável que nunca se disssipa no movimento, é quase um rasgar do espírito. (Louis diz para Catherine)

CAPÍTULO II

… e não falemos de angústia. Dessa dor que nos dilacera, que nos torna culpados, como se pudéssemos controlar o mundo e tudo que nele há. Somos humanos por excelência, porque temos o desejo que nos purifica a alma: queremos viver. Sabemos ser inconseqüentes e intransigentes. Sentimos saudades ? eis nossa revolta contra o tempo, contra o espaço e contra o mundo. Discutimos nossas misérias cotidianas e históricas, pessoais e impessoais, buscamos ser honestos. Cinicamente honestos. (Catherine diz para Louis)

CAPÍTULO III

Compreendemos nossa condição fragmentária, imperfeita, implacavelmente imperfeita. E não nos mobilizamos por conta dessa imperfeição. Foi mais forte que nós. Mais intenso. Tenso. Desejos incontroláveis de transgredir. Não a transgressão que nos faz eternamente machucados, culpados, enganados. Mas aquela que nos deixa em paz, porque fomos capazes de dizer um para o outro o quanto somos especiais. E, curiosamente, não somos mais uma capela, mas uma verdadeira catedral. (Louis escreve para Catherine)

CAPÍTULO VI

O que há em nós é sagrado e profano. É puro e impuro. Parece vida, mas parece morte. Os dias nos consomem o espírito; roubam-nos o silêncio: a mudez; deixam-nos eufóricos, ansiosos, armados e desarmados. E também conspiram contra nós. É nisto que acreditamos. Mudamos o rumo de nossa história. Sentimo-nos seguros e inseguros. Livres e aprisionados. Um paradoxo sem fim. Mas somos a nossa própria e imensa vontade de viver. (Catherine escreve para Louis)

THE END

_____________
Nota: Esta imitação de conto é apenas minha forma de falar das lembranças que ficam em minha memória. Recordações daqueles anjos que me motivaram e me inspiraram para rascunhar certas linhas. E é assim que me despeço de 2007: com pequenos e intensos diálogos de quem também já soube o que é amar!

[Postado originalmente no dia 1º de janeiro de 2008, sob o título “Catherine and Peter Lewis”]

5 Replies to “Catherine e Louis (por Aline Menezes)”

  1. !!!!!!!!!!!!

    ???????????? beijos, Aline

  2. Você traz uma riqueza dentro de si…

    Deve ser porque carrego dentro de mim a vontade de absorver a riqueza de meus amigos, de minha família, da beleza da vida… E assim aprendo… E assim me entrego para o que há de bom! beijos, Aline

  3. gostei do “capítulo” 1.
    são diálogos e tanto esses daí..
    avise a Cecília que já estou com a música de Gianluca aqui. e, como você mesma disse, que eu só comento aqui quando posto no meu, postei no meu. hahaha
    até o próximo ano, prima.
    beijos, eu.

    Duka, o capítulo I é o meu preferido. Peter Lewis estava inspirado mesmo. Ele é admirável!!!! 😛 Acabei de avisar pra Cecília. Quanto ao seu texto, passarei lá. Até o próximo ano! beijos, de sua prima predileta.

  4. Que em 2008 seus sonhos sejam realizados.
    Beijos,
    Jorge

    Obrigada, Jorge. Espero, sim, q muitas coisas sejam realizadas… muitas… E desejo o melhor pra vc. beijo, Aline

  5. I just preferred to produce a fast comment in an work to connect gratitude for the specifications using the individuals fantastic pointers you could be posting at this site. Time consuming internet investigation has in the complete by means of the morning been rewarded with high-quality methods to provide my guests. http://uggbootssale.la-lu.com http://online.ultimatesmart.com/uggbootssaleuk

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.