nothing

[…] Pense por um momento no mundo em que vive um rato. É um mundo sem dúvida hostil. Se um rato passasse pela sua porta da frente neste minuto, o senhor o receberia com hostilidade? (do coronel alemão Hans Landa para o francês Perrier LaPadite, p. 11)

Minha fé não é poética, tampouco acaricio seres repugnantes. Percebo que há ratos e ratos, há espécies invasoras. E outras nem tanto. Escondo-me no assoalho de casa: para fugir não dos roedores, mas de mamíferos de caudas mais curtas e de focinhos arrebitados.

Sim, insisto: minha fé não é poética. Não quero ser recruta, apenas tomar vinho. Ter a sensação da embriaguez que me toca os lábios, mas não me anestesia a consciência. Só os tolos têm raiva da lucidez. Só as criaturas vis nos parecem nocivas; e quanto às outras?

É. Acho que sou garota de sorte, pois a insanidade que me assombra é a mesma leveza que me liberta.

___________
TARANTINO, Quentin. Batardos inglórios: o roteiro original do filme. Tradução Anna Lim. Barueri (SP): Manole, p. 11, 2009.

7 Replies to “nothing”

  1. Lebrei-me de uma ode as baratas que escrevi uma vez. Esses seres que consideramos repugnantes as vezes possuem tanto caráter que nem nos damos conta. Parabéns pelo novo layout. Bjooo

  2. Gosto dessa posição de ver o mundo pelos olhos dos excluídos, porque como você bem diz, há ratos e ratos.

  3. Oi, Aline,
    Há quanto tempo não nos falamos, né?
    Outro dia, fui surpreendido pelo meu filho, Daniel, que acessou seu site,
    não sei como, e viu referências elogiosas aos meus poemas.
    Obrigado pelo carinho.
    Após muita insistência, meu mestrado já está por concluir seu segundo semestre.
    Outra coisa, meu livro, que lhe deve muito (a única pessoa que o leu, de fato e descobriu, a tempo, um erro crasso da editora, que salvou a edição), está para entrar em sua sexta edição. Assim que sair, eu lhe digo.
    Nessa edição, incluí dicas úteis sobre a nova ortografia, artigo e ensaios, de um modo muito prático.
    Abraços,
    Jorge Leite

  4. Aline, querida, gosto de vir aqui não só, mas também, por causa das belas associações que minha mente faz. Por exemplo, na tua frase: “Não quero ser recruta, apenas tomar vinho.” lembrei imediatamente do coro “I’ve got soul but I am not a soldier” da música “All these things that I’ve done” de The Killers. Saí daqui com certeza com o coração mais quentinho e com muito mais simpatia pelos Mickeys da vida. 🙂

  5. É preciso estar sempre desperto, sempre acordado, sempre de posse completa de todos os seus sentidos, é preciso manter sempre os dois olhos bem abertos

  6. Pra vc não dizer q é história minha… rs…
    Existem ratos e ratos… quem disse que são todos iguais?!

  7. Aline
    Que site legal! Espero que não tenha financiamento oficial rsrsrs
    Sua veia poética continua pulsante… E de ratos vocês aí em Brasília entendem muito, não!? hahaha

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.