meaning

Seja qual for o país, capitalista ou socialista, o homem foi em todo o lado arrasado pela tecnologia, alienado do seu próprio trabalho, feito prisioneiro, forçado a um estado de estupidez. (Simone de Beauvoir)

Pensar não entorpece a vida
Por Aline Menezes
Jornalista e professora

A ausência de reflexão gera a atrofia dos lugares-comuns. Sempre explico para os meus alunos que, num texto dissertativo, por exemplo, precisamos evitar os clichês, aquelas expressões que, de tão utilizadas, servem para tudo, servem para argumentar ou tentar argumentar sobre qualquer coisa. 

Sempre explico para os meus alunos que, num texto dissertativo, devemos ser objetivos, precisos na linguagem. Explico que devemos escolher a ordem direta das orações, assim como devemos nos manter claros, coesos, coerentes. Explico também que, num texto dissertativo, devemos defender uma ideia ou um ponto de vista… enfim, todas aquelas lições que os nossos professores de redação nos ensinaram (ou, pelo menos, deveriam…).

Além disso, procuro fazê-los ter curiosidade pelo estudo da gramática, não da maneira equivocada e entediante com que muitos professores de português já fizeram… porque, para mim, mais importante do que qualquer regra gramatical é incentivar os alunos ao pensamento autônomo e independente.

Pensar não é abstração apenas. Pensar pressupõe absorver o que há de mais duro e difícil na vida, e isso às vezes é algo físico, orgânico, psíquico. Pensar é também sentir, observar os movimentos, tentar compreendê-los. É importar-se com o outro e consigo mesmo. É a tentativa de não caminhar anestesiado, embriagado pelo que há de mais torpe, vil e desumano que existe por aqui. É a coragem de enfrentar a paralisia, a preguiça, o comodismo. 

Pensar é querer ver. Enxergar a vida, o indivíduo, o país, o mundo… Pensar é reconhecer as nossas ambiguidades, não apenas as linguísticas, e as nossas contradições e incoerências. Pensar é manter-se lúcido, mesmo quando tudo parece nos enlouquecer a cada instante; mesmo quando necessitamos de ilusões para sobrevivermos; mesmo quando descobrirmos que a vida é também angústia e desespero. E que a felicidade jamais deveria ser um imperativo.

Pensar é doer-se sozinho, solitariamente. É, às vezes, não ter ninguém para pensar junto, para sofrer acompanhado. Pensar é gostar da solidão e nem por isso parecermos masoquistas. Felizmente, pensar é também compartilhar com alguém aqueles insights fora de hora, fora de tempo. É tornar-se inadequado numa sociedade de reproduções fajutas, de pensamentos estúpidos e sem nenhum tipo de consistência. Por isso mesmo, pensar exige que nos sintamos estranhos, inadaptáveis, anormais…

Pensar é acreditar na possibilidade de ressignificar as palavras, os verbos, as expressões, as ideias. É arriscar-se a parecer tolo (apaixonar-se também é tudo isso). É correr o risco de se revelar incauto, imprudente… Mas, ainda assim, pensar é melhor que ser entorpecido. É escrever um texto como este e ter a certeza de que me falta pensar um pouco mais e refletir sobre o que estou escrevendo, mas pensar é gerúndio, não infinitivo, portanto, qualquer falha é parte do processo, é necessário. 

Pensar é tentar conhecer-se, é buscar nutrientes para uma alma ferida, cansada, subnutrida, despedaçada. Porque pensar é uma necessidade contra a brutalidade do não pensar, da não reflexão, da ausência de clareza, da falta de solidez do mundo.

Pensar é dar sentido à vida, antes que nos tornemos sem sentido algum. É experimentar as impossibilidades, as transgressões. É lutar contra a maioria, apesar de tudo. É insistir sempre contra a estupidez. É, ainda, entender a relevância e a necessidade da própria linguagem como instrumento de liberdade, ainda que esta seja tão controversa, tão incomum…

2 Replies to “meaning”

  1. Sempre intensa, sempre instigante! Muito bom!!

  2. Uma parcela do pensar é nossa, depende de nós (talvez a maior parcela); mas uma parte depende das fontes de informação de que dispomos para criar um arquivo de informações mental e daí refletirmos. Pois bem ,e quando essas fontes não são confiáveis?E quando descobrimos que é preciso desconfiar de boa parte do que lemos, vemos, ouvimos?

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.