GOSTO DA IRREVERÊNCIA DE MACHADO DE ASSIS

Dedico este post a minha irmã Cecília, que é fã de carteirinha de Machado de Assis

Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881) e Dom Casmurro (1889) são responsáveis pela admiração que passei a ter pelo romancista* carioca. A sua maneira irreverente de escrever e a de “cutucar” o leitor são, para mim, sensacionais. Seu sarcasmo, perfeito!

PEQUENAS CONSIDERAÇÕES

Memórias Póstumas… – Uma vez que a obra é narrada por um “defunto autor”, Brás Cubas critica livremente as hipocrisias das pessoas com quem ele conviveu. E eu gosto dessa liberdade e da perspicácia de Machado de Assis neste livro.

Dom Casmurro – É narrado em primeira pessoa pelo protagonista masculino Bentinho (Dom Casmurro), que está desiludido, velho e solitário. Ele conta sua história ao lado de Capitu. Enquanto é feita a pergunta “Capitu traiu ou não traiu Bentinho?”, vou pensando na criação das personagens… E visualizando cada uma delas… Capitu, uma menina dissimulada. Bentinho, um desiludido. As interrupções que o autor faz para falar com o leitor são irônicas, mas bem humoradas…

*escritor, jornalista, poeta, cronista, contista, dramaturgo, novelista, crítico e ensaísta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *