DESESPERO INFERNAL

A maturidade é um álibi frágil. Seguimos com uma alma de criança que finge saber direitinho tudo o que deve ser feito, mas que no fundo entende muito pouco sobre as engrenagens do mundo. Todo o resto é tudo que ninguém aplaude e ninguém vaia, porque ninguém vê. (trecho da crônica “Todo o resto”, de Martha Medeiros)

Desejos que nos inquietam a alma: que nos fazem transgressores de nossas próprias escravidões. Presas irresistíveis da sensualidade. Que me importa o que vão dizer de mim? Sigo adiante. Mesmo quando não consigo me ouvir. Não estar certa é o melhor dos meus equívocos. Tradução exata do que somos. Ou apenas do que penso ser.

Brutalidade é se esconder das incertezas latentes do coração. Estupidez é fingir não ser assim. Mas, sim, sigo adiante: mesmo quando não consigo me ouvir. Para mim, viver é ter palavras. Letras e pontuação. Reticências, pois nem sempre sei a morfologia de mim. Descubro-me em desmontes, silêncio ensurdecedor…

… de quem não quer explicações.

3 Replies to “DESESPERO INFERNAL”

  1. Eis o que somos. Sábio é aquele que sabe quem é.

  2. Interessante que eu descobri que em minha vida existem muitas reticências… bom saber que não sou a única.

  3. Thank you for some other informative blog. The place else may I am getting that type of info written in such an ideal approach? I’ve a undertaking that I’m just now operating on, and I have been on the glance out for such information.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.