dilma rousseff

O feminismo tem tido um importante papel na demonstração de que não há e nunca houve “homens” genéricos – existem apenas homens e mulheres classificados em gêneros. [..] temos uma infinidade de mulheres que vivem em intrincados complexos históricos de classe, raça e cultura. (Sandra Harding, filósofa e feminista americana)

O valor da fala
por Aline Menezes

Debates sobre o pedido de impeachment à parte, escrevo este texto motivada por inquietações e desconfortos particulares e coletivos que me seguem há muito tempo. Isso porque vivo em um dos países mais violentos e injustos do mundo, principalmente em termos de liberdade e direitos de meninas e mulheres no Brasil.

Desde o primeiro ano do primeiro mandato em que a mineira e economista Dilma Rousseff assumiu a Presidência da República, começaram os primeiros e “pequenos” atos de violência contra a figura feminina (“e pouco feminina”) que ela representava. Na verdade, bem antes disso, já nas campanhas eleitorais…

Continue lendo “dilma rousseff”

Louise

[…] os povos do mundo deveriam exigir que se realizem investigações e se julgue aqueles que planificam fazer a guerra no corpo das mulheres. (Rita Segato, antropóloga argentina e professora da UnB)

Ela não sabia, nem nós
por Aline Menezes

Frequento a Universidade de Brasília (UnB) desde 2003. Lá, fiz cursos de inglês, espanhol, especialização, mestrado e agora doutorado. Em pouco mais de uma década, tive a sorte de conhecer professores e colegas inteligentes, adoráveis e íntegros, mas também tive a infelicidade de deparar com professores e colegas asquerosos, repugnantes, não apenas pela arrogância e (acreditem!) ignorância deles, mas porque alguns manifestam comportamentos bastante agressivos, desvirtuados e, na minha opinião, psicopáticos.

Continue lendo “Louise”

stupidity

A educação é o ponto em que decidimos se amamos o mundo o bastante para assumirmos a responsabilidade por ele… (Hannah Arendt)

Vamos celebrar a nossa estupidez
por Aline Menezes

Na ausência de bons argumentos, de raciocínios que realmente sejam fruto de reflexões aprofundadas sobre os fatos e que não sejam reproduções falsificadas do senso comum, parece natural que uma das primeiras manifestações das pessoas – quando estão diante de debates “polêmicos” – seja a tentativa de desqualificar ou desvalorizar lutas legítimas como, por exemplo, a dos movimentos negros, feministas e LGBT.

Continue lendo “stupidity”

Women’s Day 2015

ENSAIO

8 de março: conquistas e controvérsias
Por Eva Alterman Blay

[…] No Brasil, vê-se repetir a cada ano a associação entre o Dia Internacional da Mulher e o incêndio na Triangle, quando na verdade Clara Zetkin o tenha proposto em 1910, um ano antes do incêndio. É muito provável que o sacrifício das trabalhadoras da Triangle tenha se incorporado ao imaginário coletivo da luta das mulheres. Mas o processo de instituição de um Dia Internacional da Mulher já vinha sendo elaborado pelas socialistas americanas e européias há algum tempo e foi ratificado com a proposta de Clara Zetkin. […]

Continue lendo “Women’s Day 2015”

women

Não se nasce mulher: torna-se. (Simone de Beauvoir)

Madame Bovary não sou eu. E se fosse?!
por Aline Menezes


Grande parte da sociedade ainda pensa que a violência contra a mulher não acontece sem que a mulher tenha feito algo para “merecer”. Ou seja, de um modo ou de outro, determinadas concepções – submetidas à lógica machista – vão sempre buscar justificativas para as ações agressivas, violentas e brutais contra o sexo feminino. Um exemplo disso é a tentativa de culpar as vítimas de estupro pelo tamanho de suas roupas. Ainda é lamentável constatar a ignorância de muitas pessoas em relação ao que seja violência.

Continue lendo “women”

injustice

A violência, seja qual for a maneira como ela se manifesta, é sempre uma derrota. (Jean-Paul Sartre)

A injustiça dos justiceiros
por Aline Menezes

Não é preciso ver as imagens do linchamento e morte de Fabiane Maria de Jesus para nos posicionarmos contra a estupidez, a brutalidade e a violência praticadas recentemente por dezenas de moradores do Guarujá, no litoral paulista. Também não é necessário acompanhar pelos vídeos divulgados nas redes sociais o momento em que a dona de casa foi agredida, arrastada, espancada, xingada e acusada injustamente de ter sequestrado crianças para rituais de magia negra. Nem sequer precisamos relembrar o discurso lamentável de quem quer que seja, reproduzido na TV sob o falso e perigoso argumento de que estamos todos cansados de tanta impunidade no Brasil.
Continue lendo “injustice”

Manifestações

Well, everyone can master a grief but he that has it. 
(William Shakespeare)

A hora do Direito à Cidade
por Alexandre Pilati

Para que a vitória que comemoramos se amplie (e não seja capturada pela direita) é preciso dar-lhe sentido mais profundo

Contrariando todas as expectativas, as manifestações que começaram há duas semanas em São Paulo, com uma pauta de reivindicações bastante restrita, ampliaram-se. Os protestos estenderam-se pelo Brasil inteiro em ruas, praças e arredores de estádios de futebol que recebem a Copa das Confederações. Nesses quinze dias, o que era um movimento bastante vinculado ao aumento do valor da passagem de ônibus acabou agregando, meio caoticamente, demandas de diversas origens da vida social urbana.

Continue lendo “Manifestações”

stupidity

A face humana é igual à daqueles deuses orientais: várias faces sobrepostas em diferentes planos, e é impossível ver todas elas de uma só vez. (Marcel Proust)

DEUS AMA OS GAYS,
mas isso não é o bastante

por Aline Menezes*

A minha fé (ou as minhas crenças) jamais deverá servir de desculpa para incitar a violência contra quaisquer pessoas que assumam práticas sexuais diferentes das minhas. Pela visão de mundo que sempre busco ter, acompanho com frequência o noticiário e o debate sobre os crimes executados contra os homossexuais, consequentemente, sobre os direitos deles. O que vejo: tolos e fariseus discutindo de maneira leviana questões fundamentais para qualquer país que queira ser democraticamente livre. 
Continue lendo “stupidity”

stand up

Sem entender a televisão, ninguém pode entender a cultura popular americana. Nem a política americana. É ela quem elege os nossos presidentes. (Camille Paglia, escritora estadunidense)

Violência stand up
por Aline Menezes

Casos de Família, apresentado por Christina Rocha e exibido de segunda a sexta-feira pelo SBT, é uma daquelas produções televisivas que nos fazem parecer idiotas, e talvez sejamos mesmo. Tive a infelicidade de assistir ao programa do último dia 17; foram necessários menos de 5 minutos para que eu ficasse perplexa diante do que vi. Não é algo novo o fato de as pessoas serem nacionalmente expostas ao ridículo, nem muito menos que assuntos sérios sejam tratados de modo leviano pelas emissoras de TV. (A propósito, estamos nos referindo a concessões públicas).

Continue lendo “stand up”

slutwalk

“Tomar para si o uso do termo “vadias” tem sido uma irreverente estratégia de deboche do preconceito. Parte da exigência de que os direitos das mulheres não podem ser violentados em nenhuma hipótese, seja lá quem ou como for a vítima.”

O deboche das vadias

Por Carla Rodrigues
Jornalista e professora da UFF

Não importa quem você é, onde trabalha, como se identifica ou o que veste. Ninguém tem o direito de tocar seu corpo sem seu consentimento. É o que reivindica a Marcha das Vadias, movimento internacional iniciado no Canadá depois de um policial de Toronto pedir às mulheres que não se vestissem como vadias para não serem estupradas. Desde o primeiro protesto, em abril de 2011, o que se vê em Nova York, Boston, Berlim, São Paulo e Rio é a revitalização da pauta feminista, historicamente mobilizada contra a violência. É verdade que as vadias estão nas ruas para pedir mais do mesmo: fim da discriminação contra as mulheres, da violência sexual e da violência doméstica, do tratamento das vítimas como culpadas pela percepção de que os crimes são “naturais” diante do comportamento – ou da altura das saias – daquelas que supostamente provocam os estupradores.

As imagens das marchas mostram jovens com corpos pintados e cartazes que transformaram em slogans divertidos uma agenda política que tem avançado lentamente. Se a pauta é antiga, onde estaria a revitalização?
Continue lendo “slutwalk”