“A ALMA DO OUTRO É UMA FLORESTA ESCURA.” (Rainer Maria Rilke)

… ainda acho que não sabemos sentir. Nada mais desconfortável para uma alma sensível do que deparar com o enrijecer do outro. Faltam-nos muitas coisas. Falta-nos esforço para sermos quem, de fato, somos. Falta-nos coragem para ficarmos nus. Falta-nos sensatez para tirarmos as máscaras. Falta-nos viver.

… por isso, acho que não sabemos sentir. Enriquece quem se perdoa. Quem aceita, sem frescuras, sua condição de imperfeito. Empobrece quem se compara à perfeição. Porque ela nos interrompe a vida.

“No relacionamento amoroso, familiar ou amigo, acredito que partilhar a vida com alguém que valha a pena é enriquecê-la. Permanecer numa relação desgastada é suicídio emocional, é desperdício de vida.” (Lya Luft)

10 Replies to ““A ALMA DO OUTRO É UMA FLORESTA ESCURA.” (Rainer Maria Rilke)”

  1. Literatura: mímese e catarse. Aristóteles derrubou a floresta das nossas auto-justificativas. Adorei o texto.

    Acho que preciso ler Aristóteles novamente. Sempre que quiser, apareça por aqui. abraços, Aline

  2. Literatura como mímese e catarse ao mesmo tempo é um paradoxo?

    Ahahahahah Essa história do paradoxo já está superada! abçs, Aline

  3. Olá, Aline!
    Achei interessante você citar que enriquece quem aceita sua condição de imperfeito. Lembro-me que recentemente numa conversa com uma amiga ela disse que, num relacionamento, a diferença entre o sapo e o príncipe é a aceitação. Quando aceitamos o outro do jeito que é, ele se torna o príncipe.
    Beijos!

    Pois é, Rebeca, ultimamente, tenho pensado muito em nossa condição de imperfeitos. Por mais que saibamos o quanto somos falhos, mesquinhos e dispersos, o nosso “erro” ainda nos surpreende. Creio, ainda, que somente podemos aceitar “o outro” (independentemente da relação que temos com esse outro), quando esse outro vale a pena ser aceito. E como sabemos que vale a pena? Não sei. Vou seguindo minha intuição… beijos, Aline

  4. Ah! E atualizei meu blog, finalmente! 😀

    Hum… então, vou lá conferir. bjs

  5. Acho q esse post foi pra mim, rs… é triste conhecer isso… q eu não sei sentir, mas é bom reconhecer… talvez agora eu aprenda! BJS!

    Ester, não se aflinja. Na verdade, não sabemos. Mas uns tentam mais q outros. Eu acho! beijos

  6. Acho que a gente aceita o outro quando aprendemos a aceitar a nós mesmos. Será viagem da minha parte? rs
    Beijos!

    Também, Rebeca. Também deve ser verdade isto: “aceitamos o outro quando aprendemos a aceitar a nós mesmos”. beijos, Aline

  7. Ei Aline, e a revista digital a favor das diferenças, que propaga a impossibilidade de existência dos padrões (afinal nem quem os criou os segue), que mostra que a beleza está em locais inusitados, aquela que você tinha falado em fazermos?
    Vamos por o projeto em prática?
    Beijos!

    Rebeca, honestamente falando, não sei se estou em condições de me comprometer com mais algum “trabalho”. Desde que voltei a estudar, tenho me dedicado bastante (e quase em tempo integral) à pós-graduação. Só uma correção: quem propôs a revista digital foi você, esqueceu, mocinha? Mas podemos discutir melhor isso. De preferência, por email. Não vamos dar idéia aos curiosos de plantão. Já pensou se roubam nossa idéia? 😛

  8. Aline, não era pra vc ter visto o novo cabeçalho aquela hora! Eu nem tinha terminado o post. Volte lá e leia. Hehehe

    Bom, gostei do seu post e mais ainda da frase de Lya Luft ao final dele. Já passei por algumas relações (amizades) desgastantes e isso é um desperdício de vida e de energia. Você fica exausto, é tanto esforço que você se esgota.

    É isso
    Beijos,

    Duka, não tenho culpa se você se descuidou 😛 rs É verdade: há relacionamentos desgastantes, mas não nos esqueçamos de que há também boas relações. Há experiências que valem a pena. beijos

  9. Olhaaa… aí….

    bzÔ***

  10. Your place is valueble for me. Thanks!. Cecille Wollenberg http://shomanvillage.blogspot.com/

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.