A Escarpa de Mai (por Maria-Mercè Marçal)

A poeta catalã Maria-Mercè Marçal (1952-1998), que morreu de câncer aos 45 anos de idade, já integra o cânone poético da Catalunha. Em 2019, a Editora Urutau lançou a edição bilíngue do livro Desglaç | Degelo (1984-1988), traduzido por Meritxell Hernando Marsal e Beatriz Regina Guimarães Barboza. No prefácio das tradutoras, elas informam que Marçal e a escritora tcheca Monika Zgustova também traduziram, a quatro mãos, as poetas russas Marina Tsvetáieva e Anna Akhmátova. Além disso, nomes como Sylvia Plath, Virginia Woolf, Adrienne Rich e Frida Kahlo, por exemplo, são algumas das referências marcantes da poeta catalã. Sobre sua escrita, as tradutoras acrescentam que, num outro livro seu, chamado La germana, l’estrangera (1985), na seção “Terra de Mai”, Marçal “inscreve a sexualidade lésbica em uma tradição que nunca a representou, nem oferecia espaço às mulheres: nas sextinas”, compostas por ela. Conheça agora um de seus poemas:

A Escarpa de Mai*
(Maria-Mercè Marçal)

Sei ao certo que há alguém —e não é você—
que desde a janela desse meu quarto
me diria que essa paisagem
é única no mundo pois me inclui
e me faria notar insólitas belezas
aquém e além da sombra que nos traça,
azul contra azul, árvore noturna, raízes
que buscam liberar-se céu adentro.
E me arrastaria com língua sem estribos,
ou se ocluiria em mim —como um nenê—
e me sugaria o ar, o fogo, o sal…
Espelhando, cego manancial de luz,
rente ao mar me daria o nome de festa.
E, pregoeira, o gritaria pelas praças
e me daria o seu para que o exibisse
no meio da testa qual diadema
arrancado do nada —cor de sangue.
E me levaria no sangue. Ou tentaria
as veias que me urdem de encruzilhadas,
demolindo os limites que erigiam
antigas esperanças decepadas. 
Mas é você que escolho: você que aceita
pagar o tributo que o espanto nos impõe
no posto fronteiriço
e diz: “Viu? Não precisa
mistificar o amor
encurralando-o contra a Escarpa de Mai”.

_____
* Tradução de Meritxell Hernando Marsal e Beatriz Regina Guimarães Barboza. 

Referência:
MARÇAL, Maria-Mercè. Desglaç | Degelo (1984-1988). Trad. Meritxell Hernando Marsal e Beatriz Regina Guimarães Barboza. São Paulo: Editora Urutau, 2019, p. 184-187.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.