Carta à jovem Malala

Carta à jovem Malala: moro num país tropical
por Aline Menezes

Comecei a frequentar a escola aos três anos de idade; aos cinco, aprendi a ler. De lá pra cá, passaram-se três décadas e continuo lendo, estudando, gostando de aprender e de conhecer mais – por exemplo – sobre a vida, as pessoas, o mundo e o universo literário. No entanto, moro num país onde nada disso parece importar muito. E, quando isso denota relevância, é apenas superficialmente, como se títulos e diplomas dessem às pessoas o direito de elas serem arrogantes e estúpidas com aquelas que não tiveram as mesmas chances e oportunidades que muitos de nós tivemos.

Continue lendo “Carta à jovem Malala”