no side

A paz já se diluiu rapidamente na luz dos dias vulgares. (Virginia Woolf)

Perto demais

Sob o manto de uma paisagem bucólica, encontro-me densa, profunda, infinita. Atravesso o desejo, impetuoso sempre, sutil, inexplicavelmente sutil. Sinto-o, sinto-me, toco-me. Apenas sabemos a grandeza desta catedral, construída há anos sob a aparência de uma frágil capela. Cada dia, volúpia ingênua, nua. Sobe e desce lentamente, len ta men te. Mais uma vez: nenhuma daquelas experiências me fez sentir tão viva quanto o dia em que… Sim, meus pensamentos ecoam.

Neste corpo cálido, pálido, inválido, a embriaguez vulgar dos dias frios. Estas árvores, arbustos, plantas… cenário. Sob o manto de uma paisagem bucólica, encontro-me densa, profunda, infinita. Concentro-me, tento, revolvo a leve loucura deste dia. Intrepidez necessária. Insinuo, diminuo, continuo… Permaneço em silêncio, rio dias a fio, choro, imploro, procuro, admiro. Inquieto-me numa tensão insuportável, portátil.

Continue lendo “no side”