fleurs

Mostrava-se tão triste e tão calma, tão doce ao mesmo tempo e tão reservada, que ao seu lado todos se sentiam tomados por um encanto glacial, como se estremece nas igrejas sob o perfume das flores misturado à frieza dos mármores. (in Madame Bovary, Flaubert, p. 105)

O analista junguiano James Hollis escreveu certa vez que “a brutalidade que já houve no mundo é suficiente para durar eternamente”. Ele afirmou isso enquanto discutia questões relacionadas ao patriarcado, à condição perversa imposta a mulheres e homens durante toda a história da humanidade. E penso que ele tem razão.

Em outro momento, enquanto assistia à série C.S.I., especificamente o episódio “Adeus e boa sorte”, ouvi a personagem Sara Sidle (Jorja Fox) comentar que, certa vez, pesquisando sobre suicídio, um sobrevivente disse que – enquanto ele pulava de onde estava para se matar – percebeu que todos os seus problemas poderiam se resolver, menos o fato de já ter pulado.

Continue lendo “fleurs”