endlessly

A sensibilidade não é uma fraqueza. Tem a ver com estar tão dolorosamente atento que mesmo uma pulga pousando sobre um cão soaria como uma explosão sonora. (Jeff Buckley, cantor e compositor norte-americano)

Li um texto atribuído ao escritor uruguaio Eduardo Galeano, no qual ele diz que não consegue “andar pelo mundo pegando coisas e trocando-as pelo modelo seguinte só porque alguém adicionou uma nova função ou a diminuiu um pouco”. Ele diz que não consegue “trocar os instrumentos musicais uma vez por ano, o celular a cada três meses ou o monitor do computador por todas as novidades”.

Essa bela revelação de “incapacidade” deve-se à compreensão de como nossa sociedade aderiu ao descartável, à efemeridade dada às coisas e, inclusive, às pessoas, aos relacionamentos, às amizades. Deve-se à percepção de que tudo hoje é feito ou fabricado para ser rapidamente usado e imediatamente jogado fora. “As coisas não eram descartáveis, eram guardáveis”, diz o texto. Continue lendo “endlessly”