spring

Sobrevivi ao hedonismo de minha juventude e à castidade de minha idade madura, a meu egoísmo heroico, à falta de dinheiro e de alegria, à minha depressão. E estou disposta a viver muito mais. (João Almino in As cinco estações do amor)

É sempre bom experimentar um novo dia. Ter a certeza de que deixamos muitas coisas para trás. Sentir que fizemos o movimento certo. E lembrar que muita coisa mudou.

É sempre bom andar devagarinho. E também se apressar para não perder a hora exata. Ficar agasalhada nos tempos de frio. E andar nua num calor insuportável.

Continue lendo “spring”

undressed

[…] Show a little bit of skin
But keep it all when she’s undressed…

(Accident by Rachael Yamagata)

A burrice e a estupidez interrompem quaisquer possibilidades de conversa, de sensatez… Melhor mesmo é inventar: fingir que o silêncio seria um caminho alternativo.

Quando não damos mais conta de disfarçar – pois assim nos protegeríamos – a nossa inquietação frente a situações que exigem posturas mais lúcidas, o que nos resta?

Continue lendo “undressed”

sunday

[…] It’s a dream
And I wanna wake…

(Sunday Afternoon by Rachael Yamagata)

Hoje rejeito as expectativas coletivas porque procuro o meu próprio caminho. Afasto-me sensivelmente do deboche desnecessário, do pequeno corte que nos machuca. Ânsias de febre e loucura.

E vou ouvindo “Sunday Afternoon”. Porque não precisamos mais subir ao vazio. Nem muito menos dos falsos afetos, que insistem na dinâmica da boa aparência. Não estou mais assustada.

Continue lendo “sunday”